Terceirização de atividade-fim já é matéria pacificada pela Justiça do Trabalho de Pernambuco

O juiz da 10ª Vara do Trabalho de Recife julgou improcedente reclamação trabalhista que pleiteava pelo reconhecimento de ilegalidade da terceirização, bem como o pagamento de horas extras.

De acordo com o magistrado, era inexistente qualquer prova da pessoalidade e a subordinação direta do reclamante com a empresa tomadora de serviços. Considerou que, ainda que as atividades fossem reputadas integrantes da etapa fim do processo produtivo da tomadora, não seria suficiente para caracterizar como ilícita a terceirização, com o consequente reconhecimento do vínculo de emprego entre o reclamante e o reclamado, tal como pretendido na petição inicial.

O juiz disse, ainda, que quanto às horas extras, considerou válidas as folhas de ponto apresentadas pela reclamada, as quais indicam que o trabalhador não prestava horas extras, posto que sua jornada não ultrapassava os limites diários e semanais de duração normal do trabalho legalmente previstos.

A Terceirização de Atividade – Fim era matéria controvertida na Justiça do Trabalho de Pernambuco, tendo sido por longos anos considerada ilícita e reconhecido o vínculo do empregado diretamente com a tomadora de serviços.

Cleto Gomes – Advogados Associados acompanha o caso.

Fale conosco
Rua Gal. Tertuliano Potiguara, 575
Aldeota - CEP 60135.280
Fortaleza - Ceará - Brasil
Tel. +55 (85) 4009 6999
Fax. +55 (85) 4009 6992
contato@cletogomes.adv.br
NEWSLETTER

Assine nosso informativo

Email*